Programa


“Para vindimar deixa o Setembro acabar”. E logo de seguida, de 4 a 30 de Outubro, acontecerá “O Mundo do Vinho”, em diferentes espaços da cidade de Coimbra, com um salto à região da Bairrada. Mostra e Prova de Vinhos farão parte de um programa, no qual a dimensão cultural do vinho assumirá protagonismo, vertida em diferentes expressões artísticas e actividades: música, cinema, fotografia, arte, poesia, gastronomia, tertúlia e enoturismo, todas elas inspiradas pelo vinho.

Na música, escutaremos o Colectivo Ciranda e o seu projecto Adivinho- Canções em torno do vinho, e acompanharemos todas as fases do vinho, da videira ao copo. Uma visita à Quinta do Encontro, em Anadia, assinalará uma feliz harmonização conceptual entre produção de vinho e arquitectura moderna. Na fotografia, oportunidade para ver a exposição “Douro, Lugar de um Encontro Feliz”, de António Barreto, um olhar sobre a região do Douro, terra dura e difícil, que viu nascer um dos mais famosos vinhos do mundo. O cinema chegará com a estreia do filme documentário “Setembro A Vida Inteira”, de Ana Sofia Fonseca. Para além do percurso íntimo das vinhas e das adegas, é também um convite à reflexão sobre a natureza humana, a relação entre os donos da terra e quem a trabalha. Mas outra viagem também estará reservada: seremos conduzidos pela música improvisada do contrabaixista Carlos Barreto para poemas seleccionados e ditos pelas vozes de André Gago e Helena Faria, em “As Vinhas da Lira”.O vinho na História da Arte: entre o sagrado e o profano” fará parte de uma visita comentada a três obras de arte que reflectem os aspectos simbólicos do vinho na religião cristã, na companhia de Pedro Miguel Ferrão. Havemos ainda de julgar o vinho na praça pública e debater a elementar questão: afinal, o que é gostar de vinho?, numa tertúlia animada por José Bento dos Santos. E fechamos com “A Festa do Vinho”, um jantar vínico que promete deslumbrar os mais desprevenidos palatos, sugestão gastronómica do Restaurante “Dux Bistrot Quinta São Jerónimo”.

Como bem sublinha Bernard Pivot, “Mas o essencial é isto: o vinho é cultura. Cultura da vinha mas também cultura do espírito”

Vai um copo? À Vossa!

Regressar